Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Ministra quer 'dar mais força' a diretores de escolas
Intervenção melhora experiência dos visitantes do Bom Jesus

Ministra quer 'dar mais força' a diretores de escolas

Freguesia de Gualtar exige um posto dos CTT

Ensino

2010-03-16 às 15h29

Lusa Lusa

A ministra da Educação, Isabel Alçada, insistiu hoje que é preciso 'dar mais força' aos diretores das escolas para resolver casos de agressões e de 'bullying' em meio escolar, considerando 'grave' qualquer violência sobre alunos ou professores.

A ministra da Educação, Isabel Alçada, insistiu hoje que é preciso 'dar mais força' aos diretores das escolas para resolver casos de agressões e de 'bullying' em meio escolar, considerando 'grave' qualquer violência sobre alunos ou professores.

'Vamos aprovar um diploma que reforça a rapidez na intervenção do diretor em caso de agressão. E agressão é sempre grave. Quando se fala em violência, é sempre grave', afirmou Isabel Alçada.

A ministra da Educação falava aos jornalistas em Évora, após presidir à cerimónia de entrega da terceira edição do Prémio Nacional de Professores.

Questionada sobre o debate que vai ter lugar na Assembleia da República sobre violência, agressões e indisciplina nas escolas e 'bullying' (violência física ou psicológica reiterada) em meio escolar, a governante reconheceu que esse tema a preocupa.

'Sempre que uma criança, um jovem ou um professor é agredido numa escola ou fora da escola, preocupa-me. Todas as pessoas que pensam sobre esta questão, claro que se têm que preocupar', disse.

Por isso, Isabel Alçada recordou que, na quinta feira passada, o Governo anunciou que vai apresentar um diploma para reforçar os poderes dos diretores de escola, para que os alunos agressores possam ser suspensos imediatamente logo após a ocorrência da agressão.

'Vamos reforçar o poder da suspensão preventiva da parte do diretor de escola ou do agrupamento de escolas', frisou, acrescentando que, em simultâneo, vão ser propostas 'medidas de apoio imediato e continuado' para todos os que 'possam ser alvo de alguma forma de violência'.

Segundo a ministra, há que 'mostrar que existem meios e uma atitude de grande responsabilidade da parte dos professores que estão presentes e que resolvem as situações'.

'Precisamos de dar mais força àqueles que estão empenhados em resolver as questões. Precisamos que os professores tenham autoridade' e que a sociedade a 'reconheça', sustentou.

As situações graves de violência nas escolas 'não são numerosas, felizmente', mas basta 'uma situação grave ou duas para nos termos que preocupar muito', realçou.

'Não podemos deixar que, no nosso país, haja nem um caso desta natureza. Sabemos que tem havido comunicação de quatro casos, mas quatro casos é muito. É indispensável que não haja nenhum caso', argumentou.

Questionada também sobre o inquérito ao caso do rapaz que, alegadamente, se suicidou em Mirandela, após agressões dos colegas da escola, a ministra da Educação disse não dispor ainda do relatório definitivo.

'Trata-se, do lado do Ministério da Educação, de um inspetor e nós respeitamos a responsabilidade e o ritmo do trabalho do inspetor', limitou-se a afirmar, esclarecendo que estes casos 'que provocam muito sofrimento' não devem ser abordados 'publicamente', para não 'agravar o sofrimento' das famílias.

O rapaz, de 12 anos, desapareceu no rio Tua a 02 de março, junto ao parque de merendas de Mirandela, a alguma distância da escola.

O caso foi associado a violência escolar e o afogamento da criança, resultado de uma alegada tentativa de suicídio, a uma consequência de alegadas agressões de que seria frequentemente vítima na escola.

Já as autoridades policiais acreditam na possibilidade de uma brincadeira que acabou de forma trágica, segundo fontes ligadas ao processo.


*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.