Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Novos alunos do IPCA apostam no “momento certo”
Serviços Municipalizados de Viana do Castelo mantêm tarifas dos resíduos sólidos urbanos em 2021

Novos alunos do IPCA apostam no “momento certo”

Viana do Castelo avança com “Reabilitação e Refuncionalização da Praça Viana” por 3,7 milhões de euros

Novos alunos do IPCA apostam no “momento certo”

Cávado

2020-10-25 às 08h00

Patrícia Sousa Patrícia Sousa

IPCA recebeu ontem os 421 novos alunos dos 16 cursos de Mestrado. José Teixeira, CEO da dstgroup, esteve à conversa com os estudantes.

O maior número de alunos de Mestrado da história do Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA) foi recebido ontem com uma conversa sobre ‘O valor da cultura e do talento na competitividade’ com José Teixeira, CEO da dstgroup. Para a presidente da instituição, estes 421 alunos fizeram a aposta na formação avançada “no momento certo”. E apesar de serem “tempos difíceis e incertos”, Maria José Fernandes acredita que “é na formação e no conhecimento científico” que se encontram “as melhores soluções” para enfrentar esta situação.
“A qualidade do trabalho desempenhado levou a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) a acredita mais dois novos cursos para este ano - Mestrado em Gestão e Mestrado em Marketing - com 75 novos estudantes e se vêm juntar aos 14 Mestrados já existentes”, informou a presidente, admitindo que este resultado “demonstra a qualidade reconhecida do corpo docente, não apenas os professores de carreira, envolvidos em projectos de investigação e com publicações científicas de qualidade, como também dos professores especialistas com experiência profissional e que fomentam o ensino baseado na prática e na investigação aplicada”. Por isso, os mestrados do IPCA, continuou Maria José Fernandes, “são de cariz muito profissionalizante o que os torna mais atractivos para os estudantes que os procuram”.
Este novo ano lectivo é marcado pelo contexto pandémico e “o regresso às aulas com normas e regras de segurança apertadas é um imperativo”.
Durante a conversa com os estudantes, José Teixeira deixou o alerta: “o que fazemos num dia fica obsoleto no dia seguinte. Isto é um processo contínuo e a produção de talento implica um olhar diversos sobre literacias diversas”. Por isso, o processo de aprendizagem “terá que incluir um processo de convivência uns com os outros”. O empresário evidenciou a necessária “amabilidade de viagem” que Fernando Pessoa fala, com o heterónimo de Bernardo Soares, no Livro do Desassossego. “Precisamos de usar ferramentas da Biologia, da Neurociência, da Psicologia Social, da Poesia, da Literatura e das Artes, já que todas estas entidades funcionam como uma morfina do nosso corpo. Basta ler, escutar e ter compaixão”, desafiou José Teixeira, garantindo que “o diploma é o fim se a pessoa for um ‘pica-miolos’ na empresa”. O que “modifica tudo” é que “ser bom profissional não chega, é preciso ser boa pessoa”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho