Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Obras na igreja paroquial de Lanhoso revelaram duas pinturas muito antigas
Miguel Matos volta a acelerar no Estoril

Obras na igreja paroquial de Lanhoso revelaram duas pinturas muito antigas

Juventude Popular prepara eleições europeias e legislativas

Cávado

2018-10-22 às 06h00

Lurdes Marques

Tarde de festa em Póvoa de Lanhoso, com a população a marcar presença em grande número na inauguração do restauro da Igreja.

Duas pinturas antigas, com mais de quinhentos anos, são o grande atractivo da igreja paroquial de Lanhoso, cujas obras de beneficiação foram inauguradas na tarde de ontem. As duas pinturas estavam ‘escondidas’ e a recente intervenção no templo permitiu a sua descoberta.
Uma intervenção que se pautou pela valorização e salvaguarda dos elementos originais ali existentes, como explicou Luís Aguiar Campos, sócio-gerente da Signinum, entidade responsável pelo restauro.
A tarde foi de festa em Lanhoso e a população marcou presença em grande número para assistir à cerimónia de inauguração do restauro da Igreja Paroquial.

D. João Ortiga, arcebispo-primaz, presidiu às cerimónias religiosas, num momento que contou com a presença do arcipreste da Póvoa de Lanhoso, padre Albino Carneiro, do padre Armindo Ribeiro, pároco de Lanhoso, assim como do padre Domingos Gonçalves, assim como do executivo da Junta de Freguesia de Lanhoso e da vice-presidente da Câmara, Gabriela Fonseca.
Por ocasião dos discursos, o padre Armindo Gonçalves, deu nota de que a igreja encontrava- -se degradada, pouco cuidada, pouco acolhedora, precisando de uma intervenção.
A intervenção foi profunda, restaurando os elementos existentes e descobertos novos elementos, as duas pinturas murais, que estavam escondidas e de-gradadas.

Toda a intervenção, como explicou o sacerdote, teve custos e levou o seu tempo, realizada com muito querer e com a generosidade das gentes da freguesia. A obra deixou satisfeito o padre Armindo Gonçalves, que referiu que “a igreja ficou mais bela, harmoniosa, rica e acolhedora”.
“Conseguimos fazer uma boa simbiose entre o antigo e o moderno, fazendo conservação, valorização e promoção da Igreja, com ganhos a nível da celebração e também a nível cultural e turístico”, referiu ainda o sacerdote, não deixando de agradecer aos que acreditaram, aos que trabalharam, aos que pediram ajuda e a todos quantos contribuíram para a concretização da obra.
À margem das cerimónias Luís Aguiar Campos salientou que as duas pinturas descobertas, que estavam atrás dos altares laterais, são pinturas dos séculos XV e XVI, lindíssimas, que serão, certamente, um ponto de interesse para atrair mais visitantes à Igreja de Lanhoso, uma igreja românica.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.