Correio do Minho

Braga,

- +
Pandemia “esconde” atropelos aos direitos dos trabalhadores
Requalificação dos cemitérios da União de Freguesias de Conde e Gandarela

Pandemia “esconde” atropelos aos direitos dos trabalhadores

Mais 31.500 euros para apoiar empresas e proteger o emprego de Cabeceiras de Basto

Pandemia “esconde” atropelos aos direitos dos trabalhadores

Braga

2021-03-02 às 07h00

Miguel Viana Miguel Viana

Coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, ouviu queixas dos trabalhadores da Bosch sobre desrespeito pelas normas de segurança e cortes salariais de 25 por cento.

“Esta empresa, desde Outubro até à data, não está a praticar o desfasamento de horários. Na produção os trabalhadores estão a trabalhar em turmos sem fazerem desafasamento de horário.” A queixa foi feita por Maximiliano Pereira , da Comissão de Trabalhadores da Bosch, num encontro com Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), ontem à tarde à porta da empresa.
A Comissão de Trabalhadores acusa ainda a administração da empresa de estar a ameaçar pagar 75 por cento dos salários aos colaboradores que não aceita-ram antecipar o período de cinco dias de férias.
Os trabalhadores já comunicaram a situação à Autoridade para as Condições do Trabalho e alegam que a empresa “só pensa nos lucros e não na saúde dos trabalhadores”, acrescentou Maximiliano Pereira, da Comissão de Trabalhadores da Bosch.
A coordenadora do BE, Catarina Martins, considerou que “à boleia da pandemia, está-se a impôr aos trabalhadores abusos sobre o seu trabalho. Tanto nos cortes salariais como nos horários. O Bloco de Esquerda mantém a luta por uma lei que proteja os trabalhadores por turnos e que garanta direito a férias, a descanso e à saúde”.
Catarina Martins lembrou que “a legislação obriga a que as empresas façam desfasamento dos turnos, para proteger a saúde dos trabalhadores. Estamos numa empresa com mais de três mil trabalhadores que não cumpre o desfasamento por turnos. Expõe os trabalhadores aos perigos da pandemia”.
A coordenadora do BE frisou que é urgente mais fiscalização laboral. “Precisamos mesmo de respeitar quem não fica em casa e continua a trabalhar. Há uma absoluta necessidade da inspecção (do trabalho) actuar e de não permitir que empresas tão grandes como esta não cumpram o que a lei diz sobre a segurança dos trabalhadores no período pandémico”.
Catarina Martins, que se fez companhar dos deputados Alexandra Vieira e José Maria Cardoso, prometeu levar o caso da Bosch à Assembleia da República, além a forma como a ACT “tem de actuar para garantir que a lei seja cumprida e garantir a saúde dos trabalhadores”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho