Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Pandemia já causou mais de 3000 novos pedidos de ajuda alimentar
Fiscalização Municipal vai punir quem tiver esplanadas ilegais em Caminha

Pandemia já causou mais de 3000 novos pedidos de ajuda alimentar

Município de Arcos de Valdevez promove integração de jovens no mercado de trabalho

Pandemia já causou mais de 3000 novos pedidos de ajuda alimentar

Braga

2020-06-03 às 09h00

Marlene Cerqueira Marlene Cerqueira

Banco Alimentar Contra a Fome de Braga já registou mais de 3000 novos pedidos de ajuda desde o início da pandemia, o que equivale a mais de 10 mil pessoas do distrito a precisarem de alimentos.

Foram já mais de 3000 os pedidos de ajuda alimentar que chegaram ao Banco Alimentar Contra a Fome de Braga, sobretudo através da Rede de Emergência constituída especificamente para enfrentar a actual situação de pandemia.
“Estamos a falar de mais de três mil pedidos de ajuda que correspondem a cerca de 10 mil pessoas”, explica Isabel Varanda, vice-presidente do Banco Alimentar de Braga, explicando que o apoio está a ser prestado através da rede de parceiros locais activos na área de residência da origem destes novos pedidos de ajuda que surgem em consequência da crise causada pela situação da pandemia.

A Rede de Emergência Alimentar tem sido fundamental para que o Banco Alimentar concretize a sua missão. Tem sido sobretudo através desta rede que as doações de alimentos têm chegado ao armazém do Banco Contra a Fome, uma ajuda preciosa para colmatar a impossibilidade de se ter realizado a habitual campanha de recolha de alimentos que, em Maio, se realiza nos supermercados.
A Rede de Emergência Alimentar, recorde-se, foi estruturada a partir dos Bancos Alimentares, assente nas IPSS, nas Juntas de Freguesia, escuteiros e outras entidades que prestam apoio. É esta rede que, no terreno distribui também os alimentos a quem deles está a precisar.

“Acho que vamos colmatar a falha na ‘campanha saco’ que não foi possível realizar devido à pandemia”, avançou Isabel Varanda, ontem ao ‘Correio do Minho’, realçando que, no entanto, as doações acabam por ter alimentos “de outro tipo, mas em quantidade e dimensão até surpreendente”.
Além das doações através da Rede de Emergência Alimentar, o Banco Alimentar Contra a Fome vai também receber alimentos doados no âmbito das duas campanhas que, a nível nacional, estiveram a decorrer até ao passado domingo: a tradicional campanha ‘vale’, nas caixas dos supermercados, e a campanha de doações on-line criada face à impossibilidade realizar a campanha de recolha de alimentos desenvolvida por voluntários nos supermercados.

Terminadas estas campanhas, agora só em Dezembro é que o banco Alimentar volta a promover nova campanha de angariação de alimentos.
Até lá, a instituição continua a contar com apoios de empresas/mecenas e também doações particulares.
Isabel Varanda refere quem quiser ajudar o Banco Alimentar pode fazê-lo a qualquer altura, bastando bater à porta da instituição e entregar os alimentos que quiser doar.
Quanto à campanha de recolha de alimentos decorreu entre 21 e 31 de Maio, em moldes diferentes do habitual, as doações vão ser agora divididas pelos Bancos Alimentares espalhados pelo país.
O Banco Alimentar de Braga distribui alimentos a perto de 300 instituições que tem já referenciadas, cabendo a estas levar os alimentos a quem precisa.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho