Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Plataforma ‘MinhoCovid19’ vai responder aos “desafios sociais”
Braval projecta produção de combustível derivado de resíduos

Plataforma ‘MinhoCovid19’ vai responder aos “desafios sociais”

Bienal de arte de Cerveira expõe em quatro pólos

Plataforma ‘MinhoCovid19’ vai responder aos “desafios sociais”

Vale do Ave

2020-07-09 às 06h00

Marta Amaral Caldeira Marta Amaral Caldeira

Com um site na Internet mais fácil de ser usado, a plataforma ‘MinhoCovid19’, liderada pela Associação Académica da UMinho, promete responder agora aos desafios sociais causados pela doença.

É a olhar para a criação de um banco de voluntariado que o movimento MinhoCovid-19 acabou de relançar a sua plataforma online (www.minhocovid19.com). Desde que foi criada no início da pandemia, a plataforma, com sede em Guimarães, já apoiou mais de 60 entidades, entre hospitais e instituições sociais com a doação de milhares de artigos de apoio à prevenção e combate à doença pandémica. Agora quer também responder aos “desafios sociais” provocados pela pandemia.
Rui Oliveira, presidente da Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM), a entidade que lidera o projecto com o apoio de outros parceiros, diz que o novo site foi “optimizado e é mais fácil de ser usado” por todos os que querem doar material e equipamentos de prevenção e combate à Covid, entre outros apoios, e por todos aqueles que necessitam desse apoio.
“A plataforma foi melhorada com o objectivo de facilitar ainda mais a comunicação entre quem precisa de ajuda e quem pode ajudar”, sublinha Rui Oliveira, indicando que, neste momento, o projecto, suportado pela ‘mão’ de uma equipa de jo- vens voluntários, já está a rumar para o apoio social directo através da doação de bens alimentares a quem mais precisa.
Refira-se que a plataforma ‘MinhoCovid19’ é liderada pela AAUM, em conjunto com a PNECommerce, a Ca?mara Municipal de Guimara?es e várias empresas da região do Minho que ao longo dos últimos meses foram fazendo chegar material diverso para ser doado.
“Neste momento continuamos a apoiar várias entidades com o material que dispomos, nomeadamente para a prevenção do contágio da Covid-19, como viseiras, por exemplo, que ainda dispomos no nosso stock; mas na verdade precisamos de mais materiais porque os pedidos de ajuda, sobretudo da parte de instituições sociais, não páram de chegar”, disse Rui Oliveira, sensibilizando as empresas que puderem a contribuir, tal como fizeram até aqui.
A palataforma recebeu também um apoio financeiro extraordinário, no valor de 2000 euros, atribuído pelo ‘Santander UNI.Covid19’, que o presidente da AAUM diz ter sido usado para combater a escassez de recursos e garantir a entrega dos bens doados.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho