Correio do Minho

Braga,

- +
Politécnico do Cávado e do Ave já distribuiu 10.000 viseiras a mais de 70 unidades de saúde, IPSS e Proteção Civil
ISAVE: alegria e lágrimas na bênção das fardas

Politécnico do Cávado e do Ave já distribuiu 10.000 viseiras a mais de 70 unidades de saúde, IPSS e Proteção Civil

Arcos de Valdevez: 'Fumo dos Dias' mostra retrato dos quotidiano da comunidade cigana

Politécnico do Cávado e do Ave já distribuiu 10.000 viseiras a mais de 70 unidades de saúde, IPSS e Proteção Civil

Cávado

2020-04-09 às 20h01

Redacção Redacção

As viseiras foram produzidas nos corredores da instituição, onde estão instaladas as linhas de montagem, com a ajuda dos investigadores e de uma bolsa de voluntários do IPCA, bem como na empresa Lucemplast, que replicou também uma linha de montagem.



O Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA) já produziu e distribuiu 10.000 viseiras de proteção individuais para os hospitais e unidades de saúde do Norte, bem como a outras entidades da área social e da proteção civil.
Esta medida surge no âmbito da responsabilidade social da Instituição que em tempo recorde, em pouco mais de uma semana, produziu 10 mil viseiras de proteção. Vítor Carvalho, Diretor da Escola Superior de Tecnologia referiu que "A escola tem procurado canalizar os seus recursos para a criação de soluções que ajudem a minimizar o impacto do COVID-19 junto da sociedade, tendo sido o fabrico de viseiras, um dos projectos em curso."
João Vilaça, Diretor do Centro de Investigação em Inteligência Artificial Aplicada (2Ai) referiu que "Esta acção só foi possível graças à forte cooperação com a indústria da região que a o 2Ai possui, destacando o contributo das empresas Lucemplast, Polipop, Riopele e Adilevel."
As viseiras foram produzidas nos corredores da instituição, da Escola Superior de Tecnologia, onde estão instaladas as linhas de montagem, coordenadas pelo Investigador do 2Ai Pedro Morais, com a ajuda de investigadores e de uma bolsa de voluntários do IPCA, bem como na empresa Lucemplast, que replicou também uma linha de montagem.
Fernando Veloso, Investigador do 2Ai declarou que "Foram desenvolvidos vários protótipos, inicialmente com recurso a impressão 3D, mas só a migração para um processo industrial permitiu a produção em massa das viseiras."
O protótipo desenvolvido foi validado por uma equipa clínica do Hospital de Barcelos. As viseiras foram já distribuídas por mais de 70 unidades de saúde e IPSS e Protecção Civil no Norte do país.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho