Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Ponte da Barca mantém-se o concelho com menos infectados no Minho
Apender a modelar o barro na Loja Oficina

Ponte da Barca mantém-se o concelho com menos infectados no Minho

Lions Clube de Famalicão angaria bens alimentares para apoiar famílias carenciadas

Ponte da Barca mantém-se o concelho com menos infectados no Minho

Alto Minho

2020-05-27 às 06h00

Marlene Cerqueira Marlene Cerqueira

São apenas seis, dos quais quatro já recuperados, os casos confirmados de Covid-19 em Ponte de Barca. O concelho mantém-se como o que menos infecções por coronavírus regista em todo o Minho.

Com apenas seis casos positivos de Covid-19, dos quais quatro já recuperados, Ponte da Barca é até agora o concelho minhoto com menos infecções pelo coronavírus.
A estatística é animadora, mas não é sobrevalorizada pelo presidente da Câmara, Augusto Marinho, que considera que “os números são um referencial, mas pouco valem porque há a consciência de que esta situação se pode alterar de um dia para o outro”.
Certo é que este concelho do Alto Minho está numa situação epidemiológica confortável e para isso em muito contribuiu “a reacção dos barquenses que souberam acolher e respeitar todas as medidas” impostas e recomendadas para mitigar a pandemia.

A autarquia também desempenhou um papel importante, desde logo pelo encerramento físico de todos os espaços e serviços municipais, mas também por iniciativas como a desinfecção frequente dos espaços mais propícios à aglomeração de pessoas.
Houve, por parte da autarquia, a preocupação em apoiar as IPSS, os Bombeiros Voluntários de Ponte da Barca e a GNR com equipamentos de protecção individual, como máscaras e fatos, e também gel desinfectante.
“Tomamos medidas, logo no início da pandemia, e medidas muito vincadas”, recorda o edil, destacando como uma das mais importantes o fornecimento das refeições aos profissionais de saúde, bombeiros e forças de segurança. “Foi uma medida tomada na perspectiva de diminuir o risco de contacto e mantendo esses profissionais operacionais o mais possível”, explica.

Ainda numa primeira fase de reacção à declaração de pandemia, a Câmara de Ponte da Barca avançou com um vasto leque de medidas, como a criação de uma linha de apoio social que permitiu fornecer alimentos e medicamentos à população, evitando saídas à rua.
Mais tarde foi criada também uma linha de apoio mais generalizada, onde se destaca o apoio psicológico. “Foi muito importante para apoiar as pessoas que começavam a sentir os efeitos psicológicos do confinamento e do isolamento social”, explica o autarca.

Augusto Marinho considera ainda que para o bom comportamento dos barquenses contribuiu a utilização de duas viaturas equipadas com altifalantes, que percorreram todas as freguesias sensibilizando e apelando às pessoas para que se mantivessem em casa. “Foi um método que resultou muito bem”, refere o autarca. Preparando-se para o pior, que acabou por não acontecer, o município também preparou um conjunto de espaços e fez acordos com hotéis no sentido de ter respostas de retaguarda se viessem a ser necessárias.

Câmara disponibiliza equipamentos informáticos

Augusto Marinho considera que a disponibilização de equipamentos informáticos aos alunos do concelho e às IPSS foi uma das medidas mais emblemáticas tomadas pela Câmara de Ponte da Barca neste contexto de resposta à pandemia causada pela Covid-19.
A autarquia barquense foi das primeiras do país a avançar com a disponibilização de computadores e tablets com acesso à internet aos alunos mais carenciados, numa iniciativa definida em articulação as escolas.

“Numa fase inicial avançamos com a expectativa de que o Governo também iria ser célere a dar essa resposta, mas ela acabou por não chegar. Assim tivemos de avançar com uma segunda fase do projecto para garantir que todos os nossos alunos possam acompanhar as actividades lectivas em casa”, diz o presidente da Câmara, realçando que só assim se conseguiu garantir a igualdade no acesso ao ensino.
A medida abrangeu também os alunos barquenses que estudam na EPRALIMA - Escola Profissional do Alto Lima.
Também foi entregue um tablet a todas as IPSS com valência de lar ou serviço de apoio domiciliário. O objectivo foi permitir a realização de videochamadas entre os seniores e os seus familiares, atenuando o isolamento causado pela necessidade de confinamento.
“Estamos muito satisfeitos com o resultado deste medida”, assume o autarca.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho