Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Presidente do IPCA inicia novo mandato à frente dos politécnicos
Esposende vai requalificar unidade de saúde da Apúlia

Presidente do IPCA inicia novo mandato à frente dos politécnicos

IPCA entregou Cartas de Curso a licenciados, mestres e TeSP

Presidente do IPCA inicia novo mandato à frente dos politécnicos

Ensino

2024-04-17 às 13h00

José Paulo Silva José Paulo Silva

Maria José Fernandes tomou posse para o segundo mandato como presidente do CCISP. O desafio dos institutos politécnicos é chamar mais pessoas para ensino superior, sobrertudo adultos.

Citação

A presidente do?Instituto Politécnico do Cávado e Ave, Maria José Fernandes, tomou ontem posse, em Barcelos, para um segundo mandato na presidência do Conselho Coordendor dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) com o desafio de “continuar a trazer para o ensino superior mais pessoas, jovens mas em especial mais adultos”.
Segundo Maria José Fernandes, “esta necessidade não é apenas e só para responder ao inverno demográfico”, mas também para “capacitar e elevar as competências de um conjunto significativo de trabalhadores”.
No discurso de tomada de posse, a primeira mulher a assumir a presidência do CCISP afirmou que é necessário “criar mecanismos ao nível da acção social e do apoio das entidades patronais, que permitam que mais pessoas que já estão a trabalhar possam aumentar as suas qualificações”.
A par, “temos de continuar a aumentar a percentagem de jovens que ingressam no ensino superior, em especial os que concluem o ensino secundário via profissional”, defendeu Maria José Fernandes, que exigiu o financiamento estatal para projectos nas áreas da promoção do sucesso académico e combate ao abandono escolar, inovação pedagógica, promoção da saúde e da saúde mental e o alargamento da oferta do Plano Nacional de Alojamento.
Na presença do ministro da Educação, Ciência e Inovação, a presidente do CCIST exigiu “mais e melhores condições aos docentes, aos investigadores e ao pessoal não docente, valorizando as carreiras, sendo urgente discutir o estatuto da carreira docente do ensino politécnico que actualmente é bastante penalizador”.
Maria José Fernandes relevou, na sua tomada de posse, a recente aprovação pela Agência De Avaliação e Acreditação do Ensino Superior do primeiro doutoramento ministrado por um instituto politécnico, no caso o de Bragança, tendo o ministro Fernando Alexandre recordado que teve, noutras funções, “a oportunidade de defender, na Assembleia da República, a outorga dos doutoramentos por parte dos politécnicos”, pelo que esta medida “está perfeitamente alinhado com o que penso”.
O titular das pastas da Educação, Ciência e Inovação alegou que “se não pudessem outorgar doutoramentos, os politécnicos estariam limitados no contacto com o mundo empresarial”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho