Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Programa educativo assume missão da inovação social
João Sousa lamenta cancelamento do ‘Grand Slam’ de Wimbledon

Programa educativo assume missão da inovação social

Famalicão cria bolsa de voluntários Covid 19

Programa educativo assume missão da inovação social

Braga

2020-02-23 às 06h00

Patrícia Sousa Patrícia Sousa

Human Power Hub - Centro de Inovação Social de Braga abriu portas ao programa educativo Centurium. Depois de abraçar as missões educativa e cultural, o Centurium trabalha agora também na vertente social.

O programa educativo Centurium é um dos projectos que integra o Human Power Hub - Centro de Inovação Social de Braga, inaugurado na passada sexta-feira pelo secretário de Estado do Planeamento, José Mendes. “Este é um momento feliz e de compromisso. Este espaço é o reconhecimento do Centurium como iniciativa de empreendedorismo social. Depois de assumirmos as missões educativa e cultura, agora abraçamos a área social. Queremos ser um instrumento útil para a transformação em diferentes níveis, desde o académico ao social”, assumiu o mentor do projecto, Paulo Morais, aplaudindo o facto de “além da escola vestir a camisola da criança, também as instituições sociais e cívicas estão a fazê-lo para ser a própria criança a alavancar a cidadania participativa”.

Depois de ter apresentado uma candidatura e ter participado num bootcamp, o programa educativo Centurium foi seleccionado para integrar este centro. “Este compromisso vem reforçar a nossa missão na vertente social. Já trabalhamos nessa missão com o Instituto das Comunidades Educativas no envolvimento das crianças da periferia e desfavorecidas e agora o Centurium assume esta missão, congregando com outras sinergias e forças para trabalhar em rede e assumir a missão do Centro de Inovação Social”, referiu.
O objectivo primeiro é “trabalhar em rede” com outras iniciativas de inovação social e entre todos “dinamizarem a missão uns dos outros”. Este espaço físico é “uma alegria muito grande” para o Centurium, que até agora trabalhava no espaço de alguns parceiros, nomeadamente no Museu D. Diogo de Sousa.

O Centurium começou há mais de uma década, lembrou o também professor de Matemática, como “a solução para um problema”. Até agora, o Centurium sempre esteve em contexto curricular e sala de aula, tendo começado na Matemática, “mas rapidamente chegou a todas as outras áreas curriculares”. Num segundo momento, continuou o mentor, “fez sentido” alargar o projecto à cultura e às famílias. “Todos nos apercebemos que estávamos a trabalhar a nossa herança cultural e histórica e esse dominador comum foi alargado quando as famílias começam a ser introduzidas. As crianças tinham acesso aos recursos e começaram a incorporar a história, a cultura e a identidade associada aos jogos, transportando esse conhecimento para as famílias”, contextualizou o professor, lembrando que as crianças e os jovens “não se limitam a jogar, mas ao interagir com o público contam a história e falam das tradições locais”.

Entretanto, o ano passado a Câmara Municipal de Braga, através dos pelouros da Educação e da Cultura, reforçou o apoio que dava desde a primeira hora e fez “toda a diferença”. A autarquia, para além de assumir como missão a capacitação e formação dos professores também colocou recursos nas escolas. “Tendo recursos materiais e a capacitação de centenas de professores a decorrer, começamos a abraçar a causa da inclusão social, em contexto de escola”, constatou Paulo Morais, justificando que o “dominador comum e indicador muito forte” na avaliação das acções de formação era que “as crianças que mais trabalhavam e dinamizavam os jogos vinham de contextos desfavorecidos e da periferia”.

Para Paulo Morais esta constatação foi “muito importante e interessante”, porque são esses alunos que saem do contexto sala de aula e vêm para o recinto exterior da escola promover os torneios. Mas não se ficam por aqui. “São esses mesmos alunos que depois vão para a família e falam dos jogos, da história, da cultura e da identidade. E de repente, a família tem acesso privilegiado a espaços culturais como o são, por exemplo, o Museu D. Diogo de Sousa e a Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva”.

É este “feito” que o programa educativo Centurium quer reforçar, por isso, assume mais este compromisso com a inovação social. “A baixa participação das crianças e jovens em contexto desfavorecido começa a ser alterada e com este novo espaço começamos a trazer as crianças para os espaços centrais. São essas crianças que vão começar a trazer para os espaços públicos, enquanto cidadãos, esta dinamização dos jogos, fazendo a sua contextualização histórica e cultural”, observou o mentor do projecto, referindo que também os professores ‘saltam’ para o edifício do Castelo para dar apoio enquanto cidadãos e voluntários.

Mas o programa educativo não se fica por aqui. “Temos a Câmara Municipal de Braga, o Museu D. Diogo de Sousa, a Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, mas também temos as associações de pais e juvenis, bem como a Associação Nacional para o Estudo e Intervenção na Sobredotação (ANEIS), a APPACDM de Braga e a CERCI Braga integradas em todas estas dinâmicas”, lembrou Paulo Morais, adiantando ainda que o desafio agora passa por alavancar também as instituições que trabalham com a idade maior, ou seja, colocar as crianças a jogar com os avós.

Município de Vizela abraça Centurium como “mais-valia educativa, cultural e social”

O Município de Vizela é um dos primeiros municípios a assumir o programa educativo Centurium “uma mais-valia educativa, cultural e social”, aplaudiu o mentor do projecto, Paulo Morais, adiantando que o Centurium está ali a ser replicado em toda a sua estrutura. “De forma consistente e articulada vamos trabalhar no concelho. Vamos replicar o Centurium em sala de aula com a intenção clara de dinamizar localmente torneios, trabalhando para a final nacional”, assumiu o professor, depois do programa ter sido apresentado pela Câmara Municipal de Vizela, na passada quinta-feira.
“Este é um exemplo, também seguido por municípios de Gondomar e Lousada. A partir da sala de aula e tendo os professores como activadores principais, as crianças acabam a promover os jogos fora da sala de aula”, referiu ainda o Paulo Morais.

Dada a evidência da época romana em Vizela, “faz todo o sentido explorar estes elementos numa dimensão de currículo local, expresso no património e identidade desta cidade. Através destes elementos lúdicos, promove-se a aproximação do cidadão vizelense à sua história e à sua identidade patrimonial”, pode ler-se no comunicado enviado pelo município.
Este projecto encontra-se a ser desenvolvido nas escolas do concelho de Vizela, tendo começado por capacitar os professores com formação através de uma oficina de 50 horas, acreditada pelo concelho científico e dotando, de seguida, as escolas e professores com kits de jogos, t-shirts identitárias de participação por jogo, bem como elementos caracterizadores da implementação do programa educativo Centurium no espaço de cada escola e comunidade educativa, promovendo assim o sucesso escolar a partir de elementos do currículo local e o envolvimento de toda a comunidade vizelense, a partir da escola.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho