Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Reabilitação do Centro histórico de Caminha entra na segunda fase
Póvoa de Lanhoso repovoa linhas de água com trutas

Reabilitação do Centro histórico de Caminha entra na segunda fase

Área arbórea do centro de Famalicão mais do que duplica

Reabilitação do Centro histórico de Caminha entra na segunda fase

Alto Minho

2020-09-19 às 17h11

Redacção Redacção

A calendarização teve em conta a maior pressão populacional e de circulação que sempre acontece na época de verão, acautelando-se o impacto que as obras inevitavelmente causam. O início dos trabalhos coincide agora com a montagem do estaleiro, nas imediações da Biblioteca Municipal e proximidade da Igreja Matriz, à semelhança do que aconteceu na 1ª fase.

A operação de reabilitação urbana do Centro Histórico de Caminha entrou na 2ª fase, com o início dos trabalhos relativos à Rua de S. João. O projeto, que inclui a renovação das infraestruturas e a requalificação da iluminação pública, implica um investimento de mais de 400 mil euros e deverá prolongar-se por cerca de 180 dias.
Depois das obras referentes às ruas Ricardo Joaquim de Sousa e Travessa do Tribunal, Largo do Turismo e Largo Dr. Luis Fetal Carneiro, onde se procedeu à qualificação do espaço, com a renovação de todas as infraestruturas e redes públicas, incluindo a rede de drenagem de águas residuais, pluviais e abastecimento e rede de distribuição de gás natural chegou a vez da artéria que atravessa o coração da Vila, a Rua de S. João, onde se encontram espaços e imóveis tão emblemáticos como Terreiro, os Paços de Concelho ou a Igreja da Misericórdia.
A calendarização teve em conta a maior pressão populacional e de circulação que sempre acontece na época de verão, acautelando-se o impacto que as obras inevitavelmente causam. O início dos trabalhos coincide agora com a montagem do estaleiro, nas imediações da Biblioteca Municipal e proximidade da Igreja Matriz, à semelhança do que aconteceu na 1ª fase.
Este projeto assume como objetivo “a qualificação do ambiente urbano, do espaço público e das vivências por ele proporcionadas, através da melhoria do desenho e do mobiliário urbano, da pavimentação de arruamentos e passeios, da introdução de elementos arbóreos, da eliminação de barreiras arquitetónicas e visuais e da renovação das infraestruturas no subsolo”.
Complementarmente, e de acordo com o projeto, “pretende-se intervir ao nível da organização da circulação automóvel de forma a permitir o alargamento de passeios, arborização, ou estacionamento, devolvendo-se a esta artéria a dinâmica comercial desejada e as ações de rua inerentes a um espaço com esta centralidade”.
O valor da obra é de 413 100,15 €. Nesta intervenção também está incluída a requalificação da iluminação pública no Terreiro, Rua de S. João, iluminação do Paços de Concelho, Igreja da Misericórdia e Igreja Matriz; assim como novo mobiliário urbano.
A intervenção estende-se desde o topo norte (edifício das Finanças) até ao encontro com a Rua Visconde Sousa Rego.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho