Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Registo Civil reabriu, Segurança Social mantém portas fechadas
“A situação é muito complicada, temos todos que reforçar as medidas de protecção”

Registo Civil reabriu, Segurança Social mantém portas fechadas

Viana do Castelo assinala 173 anos de elevação à categoria de cidade

Registo Civil reabriu, Segurança Social mantém portas fechadas

Vale do Ave

2020-12-04 às 06h30

José Paulo Silva José Paulo Silva

Conservatória do Registo Civil de Famalicão voltou a ter atendimento presencial. Balcão da Segurança Social ainda não.

A Conservatória do Registo Civil de Famalicão já retomou o atendimento ao público, depois de ter encerrado no dia 19 de Novembro por escassez de funcionários, provocada pela infecção de uns por covid-19 e o confinamento de outros. A reaber- tura deste serviço ocorreu após a desinfecção das instalações, tarefa assumida pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.
Os serviços locais da Segurança Social mantêm-se encerrados desde a mesma data, também devido ao surgimento de casos de infecção que agravaram a situação de carência de pessoal.
Ontem, no final da reunião da vereação, o presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Paulo Cunha, lamentou a falta de resposta dos ministérios da Justiça e e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social às cartas por si enviadas a 19 de Novembro, nas quais reclamava “resposta urgente para colmatar a falta de capacidade de resposta dos serviços”, classificando de “cenário muito grave” a suspensão do atendimento no Registo Civil e na Segurança Social.
“Lamentavelmente não tivemos nenhuma resposta”, declarou o edil, insistindo na necessidade de “interagir” com a admi- nistração central para evitar novas interrupções no atendimento presencial naqueles dois serviços.
“Este país tem mais de 40 anos de democracia, mas falta ainda muita cultura democrática, diálogo e cooperação”, constatou o edil famalicense.
Paulo Cunha teme a repetição do “cenário muito grave” no Registo Civil e na Segurança Social, atendendo à manutenção ou mesmo agravamento da situação pandémica, que releva as manifestas carências de pessoal nos balcões daqueles serviços públicos, lamentando o autarca que não se aprenda com as situações vividas.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho