Correio do Minho

Braga, quarta-feira

‘Reis’ do Novais e Sousa brindam a cidade com alegria e tradição
ARDAL/Porta do Mezio apresenta resultados do projeto Vozes das Pedras

‘Reis’ do Novais e Sousa brindam a cidade com alegria e tradição

BestEvents prepara entrada no mercado de Lisboa

Vale do Ave

2019-01-12 às 10h12

Teresa M. Costa

Cantar os Reis é uma das actividades que mais motiva os utentes do Centro D. João Novais e Sousa cujos votos de Bom Ano chegam, este ano, a cerca de meia centena de empresas e instituições.

Os 'reis' do Centro D. João Novais e Sousa voltaram a cantar no 'Correio do Minho' cumprindo a tradição de desejar um bom ano a todos os que aqui trabalham.
Votos retribuidos pelo director do Correio do Minho, Paulo Monteiro, que reafirmou que as portas estão sempre abertas às instituições da região.
Desde 2003 que os utentes do Centro D. João Novais e Sousa, instituição que acolhe jovens e adultos com deficiência mental, saem à rua para cantar os reis e, desde aí, multiplicam-se as saídas que fazem a alegria de quem canta e de quem os recebe.

Ao todo, são cerca de meia centena de saídas, sendo esta uma forma da instituição agradecer aos muitos parceiros - empresas, instituições e entidades públicas - que com ela colaboram ao longo do ano.
“Todos querem ir cantar os reis” revela a directora do Centro D. João Novais e Sousa, Lucinda Vilverde, que dá conta: “temos utentes que não falam, que não ouvem, mas que também querem participar nestas saídas”.
Para Lucinda Vilaverde, “esta é a verdadeira inclusão” espelhada “na alegria e na felicidade dos utentes”, mas “serve também para a sociedade se aperceber que, apesar da sua deficiência mental, eles são pessoas e têm direito a partilhar os mesmos espaços que os outros cidadãos”.

A directora do Centro D. João Novais e Sousa sublinha que uma das aprendizagens que a instituição tenta incutir aos utentes é o saber estar que ajuda a modelar comportamentos e este tipo de actividade contribui para essa aprendizagem.
O cantar dos reis já criou laços com várias instituições e empresas. “As primeiras empresas onde fomos prenderam-se a nós e passaram a ter outra sensibilidade” revela a responsável, que sublinha que dirigentes e colaboradores das empresas acolhem e vivenciam esta experiência.
“Não é só receber os reis ou dar o donativo, é o modo como nos recebem” reforça Lucinda Vilaverde.

Claro que as saídas para cantar os reis exigem toda uma logística de transporte e de manter o grupo motivado e organizado.
O grupo são quase 30 “reis” que correspondem à lotação do autocarro, mas quando saem à rua - porque também brindam os cafés, lojas e transeuntes da cidade com a sua alegria - o grupo cresce.
Hospital de Braga, Câmara Municipal, juntas de freguesia, Transportes Urbanos de Braga; Banco Alimentar e Centro Distrital de Segurança Social são entidades por onde estes “reis” já cantaram.
Mas os cantares dos reis têm ainda outra finalidade: se os três reis magos levaram ouro, incenso e mirra, os “reis” do Novais e Sousa aproveitam a iniciativa para angariar verbas para cumprir um anseio antigo: criar um lar residencial.

As verbas angariadas com esta e outras iniciativas servem também para financiar a formação na área das artes em que a instituição apostou e foram utilizadas na preparação do espectáculo “Eu não sou eu nem sou o outro” que sobe ao palco do Theatro Circo, no próximo dia 25 de Janeiro.
Tudo o que sobra das actividades e todos os donativos são amealhados para o lar, tendo sido já arrecadados 110 mil euros, revela Lucinda Vilaverde.
“Até o dinheiro das multas” ajuda a construir este sonho, aponta a directora, já que o centro é destinatário de multas que os infractores são obrigados a entregar a instituições.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.