Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Reviravolta histórica rumo à manutenção
UMinho é a universidade que oferece mais cursos a Norte

Reviravolta histórica rumo à manutenção

Universidade Católica de Braga recebe selo de verificação ‘Covid Safe’

Reviravolta histórica rumo à manutenção

Desporto

2020-07-11 às 06h00

Joana Russo Belo Joana Russo Belo

Gil Vicente foi vencer a Guimarães o Vitória SC, o que já não acontecia há 16 anos. Vimaranenses estiveram em vantagem fruto de um golo de Bruno Duarte, mas viram os gilistas encetar a reviravolta nos descontos, com golos de Rúben Ribeiro e Kraev.

Uma reviravolta histórica nos descontos que garante a manutenção. O Gil Vicente foi vencer a Guimarães o Vitória SC - triunfo que escapava há 16 anos - com golos de Rúben Ribeiro e Kraev e fez a festa da permanência na I Liga. Já os vimaranenses, dizem, praticamente, adeus ao objectivo europeu, quando estão agora a quatro pontos do quinto lugar de acesso às competições europeias.
O calor intenso que se fez sentir no Estádio D. Afonso Henriques não ajudou ao futebol na primeira parte, com as duas equipas algo lentas e com poucos lances dignos de perigo, numa toada de equilíbrio.

O Vitória SC foi dominando com maior posse de bola e sinal mais, mas pecou no último terço do terreno em termos de finalização e as ocasiões de golo foram escassas, à excepção de remates de André André e Poha.
A toada de equilíbrio foi-se mantendo, com o Gil Vicente a tentar reagir por intermédio de Hugo Vieira - que se estreou no onze - e Rúben Ribeiro, a deixarem bons indicadores no ataque.
Com o nulo ao intervalo, a segunda parte prometia. E não desiludiu. A magia de Edwards ainda manteve os conquistadores ligados à corrente europeia, com um pormenor delicioso após jogada na direita, ultrapassando Edwin Banguera e Ygor Nogueira, a oferecer de bandeja o golo a Bruno Duarte, que deixou a equipa vimaranense em vantagem aos 63 minutos.

O técnico Vítor Oliveira reagiu logo ao golo sofrido, lançando Samuel Lino e Ahmed Isaiah, à procura de maior frescura nas alas e o Gil Vicente foi conseguindo crescer em campo, claramente focado na baliza vimaranense.
A partir daí, os gilistas dominaram, mostraram grande atitude e inteligência nos posicionamentos e adivinhava-se o golo. Que surgiu dos pés de Rúben Ribeiro, um dos destaques da equipa barcelense. O médio aproveitou um erro gravíssimo de Sacko, que permitiu a antecipação num lance aparentemente inofensivo. Rúben Ribeiro isolou-se e rematou para o fundo das redes empatando a partida.
Galvanizados, os gilistas mantiveram a pressão, perante um Vitória SC perdido em termos defensivos, que voltou a ver um erro individual matar as aspirações europeias. Agu parecia ter o lance controlado, mas perdeu para Kraev na área. O búlgaro - que tinha entrado aos 76 minutos - rematou cruzado para a reviravolta. Derrota penaliza fortemente um Vitória SC que procurava manter acesa a chama da Europa e favorece a crença de um Gil Vicente guerreiro.

Ivo Vieira: “Objectivo fica cada vez mais longe”

Ivo Vieira não escondeu o desalento pela derrota caseira no dérbi minhoto com o Gil Vicente. Técnico considera que o objectivo da Liga Europa está cada vez mais difícil, apesar de garantir que vão lutar até ao final.
“Fomos uma equipa que conseguimos jogar bem muitas vezes, mas em muitos jogos não conseguimos ganhar. O que aconteceu hoje [ontem] é um pouco o reflexo do que aconteceu para trás. Tentámos refrescar a equipa para ficar com a bola longe da baliza, mas não tivemos essa capacidade. Em termos físicos e de interpretação do jogo, o Gil soube interpretar melhor o jogo”, sublinhou, revelando que o adversário “foi mais forte, ganhou primeiras e segundas bolas”.

“Não conseguimos segurar o jogo mesmo tendo mais gente fresca na frente”, acrescentou.
O treinador explicou ainda as mudanças na equipa: “os jogadores, todos eles, têm características diferentes. Nos últimos dois jogos, o Pepê foi substituído cedo e a equipa cresceu um pouco mais, até pelo conjunto de jogos que ele tem nas pernas. Foi uma tentativa de dar sangue novo ao meio-campo para sermos mais intensos”.
Quanto à Liga Europa, foi claro: “o objectivo fica cada vez mais longe. Há menos pontos em disputa, tendo nós perdido e os adversários somando pontos. Ainda há nove pontos em disputa, é possível, mas está muito difícil”, frisou.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho