Correio do Minho

Braga,

Santuário rupestre de Garfe proposto para sítio de interesse público
Projecto Educativo Local quer articular trabalho entre parceiros

Santuário rupestre de Garfe proposto para sítio de interesse público

Bolinhol oficialmente nomeado no concurso 7 Maravilhas Doces de Portugal

Cávado

2019-01-16 às 20h20

Redacção

É objetivo da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso proceder à delimitação do Santuário Rupestre de Garfe. Rodeado de campos de cultivo e mato, este situa-se numa encosta de pendor suave voltada à ribeira de Teire, tributária do rio Ave. Localiza-se administrativamente no lugar de Pena, freguesia de Garfe, concelho da Póvoa de Lanhoso, distrito de Braga.

A Direção-Geral do Património Cultural vai propor à ministra da Cultura a classificação como sítio de interesse público do Santuário Rupestre de Garfe, na Póvoa de Lanhoso. Segundo publicação de hoje, 16 de janeiro de 2019, em Diário da República, a proposta de classificação fundamenta-se em parecer da Secção do Património Arquitetónico e Arqueológico do Conselho Nacional de Cultura.
É objetivo da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso proceder à delimitação do Santuário Rupestre de Garfe. Rodeado de campos de cultivo e mato, este situa-se numa encosta de pendor suave voltada à ribeira de Teire, tributária do rio Ave. Localiza-se administrativamente no lugar de Pena, freguesia de Garfe, concelho da Póvoa de Lanhoso, distrito de Braga.
Implantado num afloramento granítico, de forma tendencialmente circular e superfície arredondada, exibe no topo três tanques escavados: o maior em forma de T, apresenta uma orientação de E-O, numa clara alusão ao nascimento-morte; o segundo, de menor dimensão e menos profundo, ostenta uma forma retangular, e está paralelo ao primeiro; o terceiro, e último, também retangular, foi construído perpendicularmente aos dois primeiros.
Na vertente sul, do penedo, e na continuidade do terceiro tanque, são visíveis dois degraus de acesso talhados, de uma forma grosseira, no afloramento, ligados a um carreiro, desgastado pelo uso sistemático do monumento.
A face do penedo, voltada a oeste, foi intensionalmente rasgada a pico de forma a criar um altar.
Em alguns afloramentos da envolvente, apesar de cobertos pela densa vegetação, são percetíveis entalhes e alinhamentos de outras estruturas, provavelmente relacionadas com o santuário rupestre.
A ausência de estudos aprofundados sobre este monumento não permite aferir com rigor a cronologia deste espaço. Contudo, através da comparação com outros espaços similares, pode-se depreender que o Santuário Rupestre de Garfe, pela configuração dos tanques, em opus quadratum, seja incluído no contexto da romanização da Península Ibérica.

Deixa o teu comentário

Últimas Cávado

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.