Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Saúde: Estado passa a comparticipar medicamentos com base em valores absolutos
Bienal de arte têxtil entra na recta final

Saúde: Estado passa a comparticipar medicamentos com base em valores absolutos

‘Trilhos da Nóbrega’ em concurso

Nacional

2010-03-04 às 17h13

Lusa Lusa

O Governo quer que o novo regime de comparticipação dos medicamentos se baseie no valor absoluto e não em percentagem do valor do medicamento e que os novos genéricos só sejam comparticipados se tiverem preço baixo.

O Governo quer que o novo regime de comparticipação dos medicamentos se baseie no valor absoluto e não em percentagem do valor do medicamento e que os novos genéricos só sejam comparticipados se tiverem preço baixo.

Estes princípios fazem parte de um decreto hoje aprovado na generalidade em Conselho de Ministros e que foi apresentado pela ministra da Saúde, Ana Jorge.

No decreto que revê o sistema de comparticipação do Estado nos medicamentos, Ana Jorge referiu que será introduzido o conceito de “comparticipação de referência”.

“A partir de agora, a comparticipação do Estado passa a ser um valor absoluto e não uma percentagem do valor do medicamento. A comparticipação é definida à partida tendo por base a aplicação da taxa de comparticipação ao respetivo preço de referência, independentemente do preço concreto do medicamento”, salientou a ministra da Saúde.

Segundo a ministra da Saúde, esta medida irá “incentivar fortemente a redução de preços, podendo mesmo ter como resultado medicamentos gratuitos para os utentes”.

Ao nível do mercado dos genéricos, o diploma aprovado pelo executivo também apresentada mudanças no sistema de comparticipação pelo Estado.

O preço dos novos medicamentos genéricos a comparticipar terá de ser inferior em cinco por cento relativamente ao do medicamento genérico de preço mais baixo comercializado.

Para Ana Jorge, se esta mudança se concretizar, “obrigará a uma redução do preço dos genéricos que queiram entrar no mercado e, por outro lado, é uma medida que estimula a entrada de genéricos em grupos de medicamentos onde hoje não existem genéricos”.

O decreto aprovado pelo Governo prevê ainda as regras de atualização anual do preço dos medicamentos passam a aplicar-se à generalidade dos medicamentos, terminando o congelamento em relação aos preços de valor inferior a 15 euros, e que o preços de referência dos medicamentos é atualizado - medida que o executivo diz decorrer da redução de 30 por cento do preço dos genéricos.

O diploma do Governo elimina ainda a majoração de 20 por cento do preço de referência para o regime especial.

“Acaba o incentivo ao consumo de medicamentos mais caros, garantindo o acesso aos medicamentos mais baratos, mas não de menor qualidade”, justificou a ministra da Saúde.


*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho