Correio do Minho

Braga,

- +
Saúde: Mulheres com mais escolaridade lidam melhor com doença
Caminhada cónega com mais uma nova nota de qualidade

Saúde: Mulheres com mais escolaridade lidam melhor com doença

Área de Paisagem Protegida foi reforçada com nova plantação

Nacional

2010-03-01 às 17h11

Lusa Lusa

As mulheres com maior nível de educação lidam melhor com a doença do que as menos escolarizadas, indica um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) hoje divulgado.

Citação

As mulheres com maior nível de educação lidam melhor com a doença do que as menos escolarizadas, indica um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) hoje divulgado.

Desenvolvido no âmbito da tese de doutoramento da investigadora Margarida Figueiredo Braga, do Serviço de Psicologia Médica da FMUP, este estudo abrangeu cem mulheres entre os 20 e os 70 anos: 31 saudáveis, 31 com depressão e 38 com lúpus.

A autora escolheu o lúpus por ser 'uma doença crónica do sistema imunitário que afeta mais o sexo feminino e que está associada ao aparecimento de patologias psiquiátricas', explica a FMUP, em comunicado

'Os resultados demonstraram que a escolaridade tem um efeito claramente positivo sobre o bem-estar psicológico das doentes com depressão ou lúpus, reduzindo o sofrimento psicológico', sublinha a fonte.

Segundo a investigadora, 'as doentes deprimidas tinham significativamente menos anos de escolaridade e, sobretudo nos casos de depressão severa, o reduzido número de anos de escola estava associado a um quadro clínico mais grave'.

'Nas doentes com lúpus a educação relacionou-se com a frequência de emoções positivas ligadas a uma vida ativa, satisfação social e ocorrência de acontecimentos agradáveis', realça a faculdade.

Essa relação não foi encontrada em mulheres saudáveis, o que, para a investigadora, sugere que o valor da educação pode permanecer 'escondido' nas pessoas que não estão sujeitas a stress físico, mental ou ambiental.

'Perante uma doença, as mulheres mais escolarizadas, com maior capacidade de procurarem soluções e avaliarem os problemas de forma racional, têm mais hipóteses de se sentirem melhor', explica a investigadora da FMUP.

De acordo com Margarida Figueiredo Braga, 'a importância da educação na expressão da depressão não deve ser subestimada num tempo em que se pensa que esta patologia atingirá uma em cada cinco mulheres ao longo da vida'.

A descoberta da relação entre a educação e a resistência psicológica das mulheres à doença foi o resultado que mais surpreendeu a autora, mas o objetivo central deste trabalho científico foi analisar as relações entre a depressão e o sistema imunitário.

Os resultados confirmaram a existência de 'relações complexas entre as alterações de vários tipos de glóbulos brancos e a depressão'.

'Os linfócitos e citoquinas podem influenciar os níveis de serotonina, cortisol e triptofano, substâncias associadas a quadros depressivos quando os seus níveis se encontram alterados', refere a FMUP.

Alguns marcadores imunológicos mostraram também estar relacionados com a qualidade de vida em doentes com lúpus.

A autora recomenda a avaliação de parâmetros imunológicos para clarificar as diferenças individuais na resposta ao stress, à adversidade e doença física, e detetar mais precocemente a depressão.

Segundo a FMUP, 'a incidência da depressão tem vindo a crescer, bem como a evidência da sua associação com doença física', estimando-se que atinja '20 por cento da população portuguesa, sendo duas vezes mais frequente nas mulheres'.


+++ Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico +++

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho