Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
‘Sexta 13’ de Montalegre candidata a ‘Maravilha Popular
Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva conta ‘histórias aqui e ali’

‘Sexta 13’ de Montalegre candidata a ‘Maravilha Popular

Famalicão: Rota de Camilo ganha impulso com duas candidaturas aprovadas

‘Sexta 13’ de Montalegre candidata a ‘Maravilha Popular

Cávado

2020-07-08 às 06h00

Marta Amaral Caldeira Marta Amaral Caldeira

É um evento que arrasta milhares a Montalegre. A ‘Sexta-Feira 13 - Noite das Bruxas’, certificada como ‘EcoEvento’ é uma das candidatas a ‘Maravilha da Cultura Popular’.

Depois de ter ganhado o Prémio Revelação do Ano em 2009, de Melhor Evento Público em 2010 e 2012 e de ter sido certificado como ‘EcoEvento’, pela Environment Global Facilities, a ‘Sexta-Feira 13’ de Montalegre é agora candidata a ‘Maravilha da Cultura Popular’. O padrinho da candidatura montalegrense é o actor Tiago Aldeia.
A ‘Sexta13 - Montalegre’ está na lista das candidatas do concurso ‘7 Maravilhas da Cultura Popular’, onde concorre na categoria de festas e feiras.
É uma das maiores festas de rua que se realizam no país e quando ‘calha’ o dia 13 coincidir com uma sexta-feira, Montalegre transforma-se num lugar onde reina o misticismo e o oculto, cativando milhares de turistas sempre que acontece.

Estes dias especiais são também um impulso à economia local, restauração e hotelaria, que aproveitam as enchentes para trabalhar até o sol raiar, sendo o padre Fontes, o maior protagonista dessas noites negras.
“A ‘Sexta 13’ - Noite das Bruxas, em Montalegre constitui, provavelmente, o mais disseminado exemplo da reinvenção das tradições populares de Trás-os-Montes. A sua essência reside nos serões tradicionais de Barroso, espaço onde o fiadeiro de contos e estórias do arco da velha preenchiam as longas noites de invernia. Contos e lendas, magia e superstição, trocadilhos e lengalengas eram partilhados com os mais novos, resultando num processo de transmissão da sabedoria e cultura popular de Barroso, hoje em processo de recuperação”, refere fonte do Município de Montalegre.
Parte desta tradição oral, muito relacionada com a superstição e o fantástico, foi recuperada pelo padre Fontes no início da década de 1980, por via do Congresso de Medicina Popular de Vilar de Perdizes. Um evento que é um passe directo depois para a festa que se faz nos espaços públicos montalegrenses.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho