Correio do Minho

Braga,

- +
Sophie Auster, Hindi Zahra, Lisa Gerrard e o Mistério das Vozes Búlgaras, Amadou & Mariam, Francisco el hombre, no Theatro Circo em maio e junho
“Queremos fazer o melhor jogo e o melhor resultado possível”

Sophie Auster, Hindi Zahra, Lisa Gerrard e o Mistério das Vozes Búlgaras, Amadou & Mariam, Francisco el hombre, no Theatro Circo em maio e junho

Bilharistas vianenses Henrique Correia e Vânia Franco recebidos na Câmara Municipal depois de se sagrarem campeões europeus

Sophie Auster, Hindi Zahra, Lisa Gerrard e o Mistério das Vozes Búlgaras, Amadou & Mariam, Francisco el hombre, no Theatro Circo em maio e junho

Braga

2019-05-20 às 17h22

Redacção Redacção

No dia 25, sábado, a marroquina Hindi Zahara traz na bagagem o seu mais recente disco, “Homeland”, um álbum autobiográfico e um espelho das múltiplas influências culturais que desaguam no seu país. Hindi foi comparada a Billie Holiday e a sua atitude mereceu-lhe ainda a designação de “Patti Smith do Norte de África”. 

Os meses que antecedem o verão em Braga não são comuns. O Theatro Circo não para e não quer parar. Uma mão cheia de concertos internacionais, artistas nacionais, teatro e dança. A capital da cultura é em Braga com epicentro na majestosa sala de espetáculos do Theatro Circo.
 
Começamos hoje, dia 21, com a cantora e compositora nova iorquina Sophie Auster, filha dos escritores Paul Auster e Siri Hustvedt.
Ligada ao mundo do cinema e da música, com uma carreira discreta ao longo do tempo, Sophie gravou o seu primeiro disco aos 16 anos. Com uma voz sensual e atrevida a cantora vem apresentar o seu novo álbum de originais “Next Time”.
 
No dia 25, sábado, a marroquina Hindi Zahara traz na bagagem o seu mais recente disco, “Homeland”, um álbum autobiográfico e um espelho das múltiplas influências culturais que desaguam no seu país. Hindi foi comparada a Billie Holiday e a sua atitude mereceu-lhe ainda a designação de “Patti Smith do Norte de África”. 
A 6 de junho, a aclamada Lisa Gerrard (dos Dead Can Dance) sobe ao palco principal com The Mystery Of The Bulgarian Voices, um dos mais prestigiados colectivos de música do mundo. The Mystery Of The Bulgarian Voices venceram um Grammy em 1988 e regressam às edições discográficas 20 anos após o seu último trabalho. Aclamado pela crítica mundial como um dos mais surpreendestes discos de 2018, 'BoocheeMIsh' é o mote para a tournée mundial em 2019.
 
No dia 14 de junho, há um concerto que ninguém pode faltar. Já tudo se disse sobre Amadou & Mariam. O blues maliano e o afro-blues foram as suas primeiras ferramentas para comunicar histórias e costumes. Com o tempo começaram a misturá-los com o rock e a música eletrónica. Mostrando essa fusão de sons prodigiosos, o duo maliano, que já foi nomeado para os Grammys, é um coletivo incontornável na história da música africana de dimensão mundial.
 
No dia 29 de junho, a banda brasileira Francisco el hombre chega pela primeira vez a Braga. Da mistura do Tropicalismo e do rock&roll norte-americano, com vestígios remotos da MPB, nasceu uma corrente musical nómada e transcultural em forma de banda ou, como os próprios diriam: o Pachanga Folk que, nas produções mais recentes, ganhou também gosto a coco, a cumbia, a maracatu, a salsa, a samba e ciranda.
 
No plano nacional, os Barry White Gone Wrong chegam ao Theatro no dia 15 de junho, misturam rock, blues e um pouco de funk com a icónica e profunda voz de Peter - que lhes confere uma sonoridade muito própria. No dia 21 de junho, são os Indignu banda que é englobada no estilo apelidado de post-rock de onde fazem parte bandas como os Explosions in the Sky, Godspeed You Black Emperor, Mogwai e God is na Astronaut entre outros. A “superbanda” Paião que conta com os músicos João Pedro Coimbra (Mesa), Marlon (Os Azeitonas), Via, Jorge Benvinda (Virgem Suta) e Nuno Figueiredo (Virgem Suta, Ultraleve), chega ao Circo no dia 31 de maio para apresentação do aclamado disco de estreia que reflete a diversidade da obra de Carlos Paião.
 
No Teatro, a peça “Anjo”, do autor Henry Naylor, sobe ao palco no dia 24 de maio e narra a história de uma rapariga síria que é capturado pelo ISIS e se converte numa franco-atiradora, temida por estes últimos. “Selfie”, é a peça encenada por Marcus Caruso que se estreia em Braga no dia 8 de junho.
“Velvet Carpet” é a performance artística apresentada pelos Palcos Instáveis – Segunda Casa. No dia 7 de junho, com direção artística de Pedro Prazeres, “Velvet Carpet” convida-nos a entrar na intemporalidade do tempo e na imaterialidade que nos rodeia.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.