Correio do Minho

Braga,

- +
“Tenho clientes que me dizem que se sentem no jardim da avó”
Dumiense/CJPII avança com equipa sénior para a III Divisão nacional

“Tenho clientes que me dizem que se sentem no jardim da avó”

Mais quatro anos de Miguel Alves como líder do executivo de Caminha

“Tenho clientes que me dizem que se sentem no jardim da avó”

Economia

2021-10-03 às 06h00

Ana Margarida Gonçalves Ana Margarida Gonçalves

Taberna do Lebre serve-lhe um copo de vinho Quinta do Barco e pataniscas de bacalhau com presunto e broa como sugestão do verde cool além de uma vasta dose de amabilidade.

A Taberna do Lebre é um espaço de degustação de comida tradicional portuguesa e minhota, situado em Celeirós. O nome Lebre deve-se a uma associação histórica, pelo que o pai da proprietária, Eugénia Pereira, era conhecido desta forma. Um local que reúne um conjunto de memórias e inúmeros recantos e artefactos com história.

Este restaurante é a antiga casa dos pais de Eugénia, “era o sítio onde nós brincávamos”, enfatiza. Imediatamente à entrada, está um balcão feito de dornas de pisar o vinho, sobre o qual estão dois telefones antigos pousados, um do pai outro do marido. Uma casa feita de recordações, onde a própria proprietária casou e no qual ainda se continua a manter vivo o espírito matrimonial dos jovens casais que passam por lá com amigos para celebrar o amor da recente boda. O arroz de legumes é a estrela ‘michelin’ desta cozinha, acompanhado pelos bons bifes da vazia ou pelo bacalhau, que atrai pessoas dos mais vastos leques sociais.

Ninguém fica indiferente a este ambiente de amabilidade, ao cunho caseiro de ‘lar doce lar’e a toda a autenticidade inerente ao atendimento e à confecção. Repleto de tudo aquilo que o dinheiro não compra, este restaurante familiar destaca-se pela sua proximidade ao cliente, tornando-o parte integrante da família. A esplanada possui inúmeros produtos biológicos, dos quais os clientes se podem servir e, inclusive, levar para casa sem qualquer tipo de constrangimento. Outra valência a avançar, é a particularidade de tudo ser feito na hora: “nesta cozinha não há microondas”, garante Eugénia Pereira. “Quem vier cá tem que vir pronto para aguardar para que a comida seja confecionada”, adianta. É esta a diferença que faz toda a diferença. O som do relógio antigo mostra-nos que aqui não há pressa, tudo se faz ao sabor do tempo. E sobretudo, com muito carinho.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho