Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Um marco na historiografia dos clubes desportivos em Portugal
Oliveira S. Mateus: Da riqueza textil e passado senhorial ao dia-a-dia de comércio

Um marco na historiografia dos clubes desportivos em Portugal

Recursos naturais da Serra d’Arga são mais importantes que as minas

Um marco na historiografia dos clubes desportivos em Portugal

Desporto

2021-05-18 às 06h00

Ricardo Anselmo Ricardo Anselmo

Foi ontem apresentado o Livro do Centenário do SC Braga. Uma obra “grandíssima”, que enche de orgulho o universo arsenalista. “Quem não honra o seu passado não poderá ter orgulho no futuro!”.

Foi ontem apresentada, no salão nobre do Theatro Circo, em Braga, aquela que é tida como uma obra imperdível para os apaixonados pelo SC Braga, considerada, inclusive, “um marco na historiografia dos clubes desportivos em Portugal” - o Livro do Centenário do SC Braga, desenvolvido por José Miguel Fernandes e Eduardo Pires de Oliveira.
A emoção tomou conta dos discursos dos autores da obra, que fizeram questão de sublinhar a importância da mesma não só para o SC Braga mas também para a cidade.
António Salvador, presidente do clube, no momento do discurso, afirmou tratar-se “de um dia de grande importância para o SC Braga” que, “após cem anos de vida”, vê finalmente nascer “a obra que reúne esforço, amor, sacrifício e ambição”, elementos que “transformaram o clube numa inegável referência regional, nacional e internacional”.
“Aproveito para enaltecer o trabalho exaustivo dos dois autores, o professor João Miguel Fernandes e o historiador Eduardo Pires de Oliveira. Nas duas edições apresentadas hoje [ontem] a dedicação de ambos foi imensa. E é também graças a este latente sentimento de amor e pertença que este é, talvez, um dos melhores manifestos literários de um clube em Portugal”, referiu, dirigindo-se a uma plateia que contava com as presenças de João Paulo Rebelo (Sec. Estado do Desporto e da Juventude), Pedro Proença (Presidente da Liga Portugal), Fernando Gomes (Presidente da FPF), José Manuel Fernandes (Pres. Assembleia-Geral do SC Braga), Sameiro Araújo (Vice-Presidente CM Braga), D. Jorge Ortiga (Arcebispo de Braga) e Manuel Machado (Pres. AF Braga), entre outros.
“A riqueza histórica do SC Braga reflecte as bases nas quais assentam, ainda hoje, os valores defendidos por este clube: ambição em fazer sempre mais e melhor; respeito pela cidade que nos abraça desde o dia da nossa fundação; amor e paixão pelo clube e por todas as suas ramificações; defesa incondicional do ecletismo; e vontade de crescer para lá dos limites da linha do horizonte”, assumiu António Salvador, que acrescentou.
“Com a alma Guerreira que nos caracteriza, continuaremos a trabalhar para sermos tudo aquilo que os nossos fundadores um dia sonharam, idealizaram e projectaram: um emblema respeitado mundialmente, não apenas pelos sucessos desportivos, mas também pelos valores que todos os dias defendemos”, rematou.
No final, foi descerrada uma placa comemorativa, à entrada do emblemático ‘Café Vianna’.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho