Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Universidade do Minho elabora plano estratégico para arquitectura
Câmara recebeu alunos do CRFP da CERCIGUI

Universidade do Minho elabora plano estratégico para arquitectura

Mais 50 mil pessoas visitaram as Feiras Francas

Ensino

2019-03-14 às 10h25

Redacção

UMinho está a elaborar um plano estratégico para o sector da arquitectura. Documento deverá fundamentar argumentos para convencer o poder político a regular os valores mínimos praticados.

A presidente da Secção Regional Norte da Ordem dos Arquitectos defendeu ontem a necessidade de implementar “valores mínimos” para os honorários daqueles profissionais, para evitar situações de concorrência desleal e, até, de prática de ‘dumping’. Cláudia Costa Santos adiantou que já foi encomendado à Universidade do Minho (UMinho) um plano estratégico para o sector da arquitectura, esperando que do documento saiam argumentos para convencer o poder político a regular os valores mínimos.
“A implementação dos valores mínimos seria um salto qualitativo para todos, já que regulava o mercado e impedia situações popularmente conhecidas por ‘dumping’, ao mesmo tempo que ia obrigar a que houvesse qualidade mínima naquilo que são os serviços de arquitectura”, referiu.

Segundo Cláudia Santos, actualmente cada arquitecto “leva o que quer”. “O que a realidade prova é que quanto menos se paga por um serviço, menos qualidade ele terá”, acrescentou.
Para aquela responsável, a fixação de valores mínimos é essencial para a valorização e dignificação da profissão.
Nesse sentido, a Secção Regional do Norte da Ordem dos Arquitectos encomendou à UMinho um plano estratégico, para saber qual a realidade da profissão, nomeadamente quantos profissionais trabalham por conta própria, quantos trabalham nas câmaras, quanto cobram por serviço e toda outra série de dados “essenciais” para fundamentar uma proposta de fixação de honorários mínimos a enviar ao poder político.
“Em meados do ano, esperamos já ter o plano estratégico”, disse Cláudia Santos.

O plano aludirá à realidade da arquitectura na região Norte, mas poderá ser “assumido como indicador” para todo o país.
O objectivo último é enfrentar os desafios da profissão nos próximos 20 anos.
A Secção Regional Norte sublinha que a arquitectura portuguesa “é reconhecida nacional e internacionalmente pela sua qualidade”, mas ressalva que esse reconhecimento não se vem reflectindo no plano económico.
“A profissão tem navegado à vista e tem sobrevivido através da iniciativa individual. A Secção Regional Norte quer dar um rumo e definir uma estratégia para a profissão que capacite os seus membros de ferramentas e mecanismos que lhes permitam enfrentar o futuro com optimismo”, concluiu Cláudia Santos.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.