Correio do Minho

Braga,

- +
Viana do Castelo quer inclusão do “Passo Travado” do cavalo Garrano no pedido de inscrição da “Equitação Portuguesa” no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial
Covid-19 coloca 24 turmas do concelho em isolamento

Viana do Castelo quer inclusão do “Passo Travado” do cavalo Garrano no pedido de inscrição da “Equitação Portuguesa” no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial

Já foram realizados mais de 45 mil testes e internados mais de 300 doentes Covid

Viana do Castelo quer inclusão do “Passo Travado” do cavalo Garrano no pedido de inscrição da “Equitação Portuguesa” no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial

Alto Minho

2020-09-24 às 17h17

Redacção Redacção

José Maria Costa diz que esta reformulação é necessária “para que possa promover a justa representação da diversidade do património equestre português” no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, “com especial ênfase para a inclusão do cavalo Garrano, ao qual se associa a equitação tradicional do Minho e o designado ‘Passo Travado’, com significado histórico em diversos pontos dos distritos de Braga e Viana do Castelo”.

Viana do Castelo quer a inclusão do “Passo Travado” do cavalo Garrano no pedido de inscrição da “Equitação Portuguesa” no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial em sede de consulta pública, para que a mesma “possa promover a justa representação da diversidade do património equestre português”.
O Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo lamenta a exclusão e ausência da devida menção ao Garrano no pedido de inscrição da “Equitação Portuguesa”, defendendo a “imperiosa reformulação da referida candidatura”.
José Maria Costa diz que esta reformulação é necessária “para que possa promover a justa representação da diversidade do património equestre português” no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, “com especial ênfase para a inclusão do cavalo Garrano, ao qual se associa a equitação tradicional do Minho e o designado ‘Passo Travado’, com significado histórico em diversos pontos dos distritos de Braga e Viana do Castelo”.
Assinala ainda a ausência de referência e integração da aposta estratégica dos Municípios de Viana do Castelo, Caminha e Ponte de Lima no turismo equestre, alicerçado no Garrano e na Equitação Tradicional do Minho. Recorde-se que os três municípios receberam recentemente a notícia da aprovação da candidatura Vilas e Aldeias Equestres entre Arga e Lima, submetida ao programa Valorizar, Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior (Aviso 2) do Turismo de Portugal.
Por isso, para o edil, a candidatura «Equitação Portuguesa», “reflete somente o objetivo de valorização de uma única raça e de uma região”. “Não foram convidadas a contribuir para o seu processo instrutório Municípios detentores de valioso património equestre, do ponto de vista da conservação de raças equinas autóctones e práticas equestres tradicionais. Citamos, mormente, o Município de Alter do Chão, com a sua mais velha Coudelaria fundada em 1748 pelo o Rei D. João V e os célebres cavalos de Alter e o centro de treino; o Município de Vila Franca de Xira, templo dos campinos e da equitação de trabalho tradicional; o Município de Ponte de Lima, onde tem lugar segundo maior festival do cavalo em Portugal; o Município de Alpiarça e a sua reserva do cavalo de Sorraia, assim como o Museu dos Coches, maior museu dedicado à Arte Equestre portuguesa”, esclarece.
“Sustentamos a necessidade de uma proposta mais ampla, mais inclusiva, de maior interesse nacional, mais justa, mais rigorosa e adequadamente fundamentada, do ponto de vista cultural e científico”, defende o edil.
“O Garrano será a mais antiga raça equina portuguesa, conforme evidenciado pelos mais atuais trabalhos de investigação no campo genético, arqueológico e histórico”, esclarece. “Numerosas fontes arqueológicas e históricas testemunham a importância do cavalo no modo de vida dos povos que ocuparam a Península Ibérica, e concretamente a atual região Norte de Portugal, desde o Paleolítico Superior. Tal é o caso de muitas gravuras do Vale do Côa e de algumas do Douro Internacional, como é o caso de Mazouco (Freixo de Espada-à-Cinta), onde foi identificada, em 1981, uma gravura rupestre representando um cavalo com cerca de 62 cm de comprimento, pouco corpulento e de extremidades curtas, características compatíveis com a raça garrana”, é realçado.
O Passo Travado constitui uma prática equestre portuguesa de origem ancestral. “O risco de perda deste património imaterial que integra a identidade cultural das comunidades rurais do Noroeste Português faz da preservação do ‘Passo Travado’ um urgente desafio que se coloca no plano da investigação científica e da estratégia de desenvolvimento destes territórios”, vaticina o autarca.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho