Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Vila Verde com projecto artístico inovador
UMinho rubrica novo protocolo com Fundação Mestre Casais

Vila Verde com projecto artístico inovador

‘Bestevents’ avança com certame em Madrid e consolida Lisboa e Porto

Vila Verde com projecto artístico inovador

Cávado

2021-09-14 às 08h03

Redacção Redacção

‘De Casa para um Mundo...’ um projecto artístico cujo resultado resulta de um cálculo que desafiou as leis da matemática e comprovou que 15 escritores + 15 artistas plásticos + 15 compositores = 15 obras de arte.

‘De Casa para um Mundo...’ é o nome do novo projecto artístico que se instalou em Vila Verde e reuniu meia centena de artistas nacionais em tempos de pandemia. A exposição deste projecto está disponível na Biblioteca Professor Machado Vilela até ao dia 8 de Outubro e a entrada é gratuita.
A inauguração arrancou com um momento de música ao vivo com a vilaverdense, Sílvia Pinto, em simbiose com o pianista José Paulo Ribeira. Uma actuação que arrebatou emocionalmente os presentes e encantou o país. Seguiu-se uma visita guiada, conduzida por Helena Mendes Pereira que revelou as origens do projecto da autoria de Sobral Centeno e Manuel Novaes Cabral.

O confinamento obrigou a que as técnicas criativas se reinventassem para que pudessem continuar a criar conteúdo em tempo de pandemia e deste ponto de partida arrancou a ideia de compilar diferentes expressões artísticas numa só. O resultado, apesar de improvável, foi bastante positivo. 15 escritores + 15 artistas plásticos + 15 compositores = 15 obras de arte.
A exposição é acessivel a todas as gerações e junta artístas de renome nacional e internacional a talentos emergentes da cultura nacional.

Júlia Fernandes, vereadora da Cultura, atribuiu ao projecto palavras como “uma exposição extraordinária” de “enorme beleza” sublinhando os benefícios que a exposição trará aos visitantes. Superação, adaptação e inovação foram as linhas orientadoras da concretização deste projecto levado a cabo numa situação desconhecida e adversa. Uma das razões apontadas para o sucesso foi o facto de os artistas já estarem habituados a estar em ‘isolamento’ nos seus ateliês, o que lhes permitiu continuar a criar mesmo em confinamento. Nas obras de alguns deles foram, inclusive, retratadas as repercussões do vírus mostrando como a arte pode unir-se na luta contra a doença.
De salientar que este projecto integra a XXI Bienal Internacional de Arte de Cerveira. Um projecto cuja a amplitude passou por Monção, Matosinhos e Vigo antes de chegar a Vila Verde.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho