Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Vukcevic: “Não sei quando, mas acredito que um dia ainda vou voltar”
Autarca de Viana defende que obras de 13ME justifica criação da Águas do Alto Minho

Vukcevic: “Não sei quando, mas acredito que um dia ainda vou voltar”

Ponte de Lima investe mais 150.000,00 € na reativação de Serviços Mínimos Essenciais do transporte público de passageiros

Vukcevic: “Não sei quando, mas acredito que um dia ainda vou voltar”

Desporto

2020-04-06 às 06h00

Ricardo Anselmo Ricardo Anselmo

Vukcevic deixou saudades em Braga. Ele mesmo admite que não rejeitaria a hipótese de voltar a ser Guerreiro, caso o futuro o permita. Falou da experiência de ser capitão e dos jogos mais marcantes.

Desta vez, a rúbrica ‘Duas de Letra’ ofereceu aos adeptos do SC Braga a oportunidade de ‘conviverem’ com duas “lendas” arsenalistas, que apesar de já não fazerem parte do clube, nunca deixaram de ter um carinho especial por parte dos bracarenses. Vukcevic e Marafona responderam sem rodeios às muitas questões de que foram alvo, com muita animação à mistura. Aqui, centrámo-nos médio montenegrino, que começou por admitir que não rejeitaria um regresso ao clube onde já foi muito feliz.
“Sinceramente não sei. Ainda tenho muito tempo para jogar, mas um dia gostaria de jogar novamente com a camisola do SC Braga. Não sei quando, nem se vai ser possível. Mas acredito que um dia vou voltar”, desejou, ao mesmo tempo em que recordava os melhores momentos em Braga.

“Quando ganhámos a Taça de Portugal. Depois ganhar 5-0 ao Vitória SC no dérbi. A vitória sobre o Fenerbahce por 4-1 também foi fantástica. São jogos que ficarão sempre na memória”, disse, aprofundando um pouco mais essa goleada ao eterno rival, na qual apontou um golo.

“Este jogo vai ficar na história. Marcámos cinco golos num dérbi e ganhamos 5-0. Um dos meus melhores momentos no SC Braga. Não costumo marcar golos, mas este foi um dos mais importantes”, assegurou.
Outra das recordações que guarda na memória são os jogos com a braçadeira no braço esquerdo.
“Quando cheguei a Braga não pensava que isso fosse possível. Cinco anos depois, foi um orgulho para mim, um montenegrino, ser capitão numa equipa grande de Portugal. Acho que foi merecido”, notou.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho